Quem está mais preparado para o futuro tecnológico: os profissionais ou as empresas?

Publicado em: 03/01/2020
Categoria: Geral

Relatório Workana 2019: Um estudo que traz uma análise mais profunda da relação entre  freelancers de todo o mundo e seus clientes (principalmente PMEs e grandes empresas).

Foi à partir dessa questão que a Workana – plataforma de mercado para trabalho freelancer e remoto que conecta profissionais independentes a quem deseja contratar seus serviços – elaborou o Relatório de Trabalho Independente e Empreendedorismo em 2019. 

A Workana faz esse relatório todos os anos para analisar, refletir e compartilhar com o mundo como essas formas de trabalho estão evoluindo. O que o torna uma ferramenta bastante útil para trabalhadores, acadêmicos, comunicadores, empresas e curiosos, bem como para os freelancers que estão dando os primeiros passos nesse caminho e querem saber como projetar seu trabalho.

A empresa, que tem sua sede na Argentina e possui escritórios no Brasil, Colômbia e México, e a partir de 2019 expandiu-se para o Sudeste Asiático, fez um verdadeiro tour para entender a dinâmica do mundo digital freelancer na América Latina:

Quem são os freelancers e seus clientes: como se comportam, quais são suas expectativas e como se preparam para o futuro?

Sabemos que hoje as plataformas digitais são uma parte fundamental do futuro do trabalho e vêm promovendo uma nova maneira de trabalhar, diferente dos modelos de negócios que conhecíamos até alguns anos atrás. Essas plataformas permitem que os freelancers trabalhem em qualquer lugar e hora, escolhendo os projetos que desejam fazer.

Os freelancers desenvolvem sua profissão de forma independente, trabalhando para terceiros que exigem um serviço específico. Em sua forma de organização trabalhista, eles têm autonomia para gerenciar seus horários de acordo com os projetos nos quais participam.

A tendência do trabalho freelancer cresce dia a dia. A grande maioria dos freelancers ainda está iniciando os primeiros passos de sua carreira profissional: alguns decidem fazê-lo como uma carreira em período integral e outros como complemento de emprego e renda. 

Vantagens e desvantagens do trabalho Freelance

Os entrevistados apontaram também as vantagens e desvantagens do trabalho freelance. As vantagens encontradas estão relacionadas a não ter que se limitar a um salário fixo, poder escolher os projetos que quer participar, poder trabalhar de qualquer lugar e obter uma renda extra.

Em relação ao gerenciamento de cronogramas, ele aparece tanto nas vantagens quanto nas desvantagens. Por um lado, é o aspecto mais valorizado enfrentar uma modalidade dessas características (56% considera uma vantagem), mas, por outro lado, também é visualizado como um aspecto negativo – embora em menor grau – em relação ao distúrbio que ele gera, mesmo para quem o escolheu por esse motivo. Outro aspecto que manifesta as dificuldades do trabalho freelancer – e predomina entre as respostas – refere-se à descontinuidade do trabalho, o que gera instabilidade e  falta de segurança para quem é contratado. 

O local de trabalho preferido do freelancer é sua casa: 83% a consideram o principal espaço para a realização de suas atividades profissionais.

Essa escolha está intimamente relacionada à decisão de trabalhar como freelancer e gerenciar seus próprios horários – motivação que os levou a escolher essa metodologia – já que 86% dos que escolheram trabalhar como freelancer o fizeram para gerenciar seus horários e trabalhar em suas casas. Isso, por sua vez, nos permite entender que, no mundo freelancer, o trabalho solitário tende a predominar: mais de 75% trabalham sozinhos na maioria das vezes ou sempre.

A população freelancer é profissionalizada: 70% possuem ensino superior completo ou pós-graduação e 24% estão no ensino superior. Além disso, complementa seus estudos formais com mídias como livros, revistas (58,5%) ou cursos (34,8) para continuar se especializando.

No entanto, o desenvolvimento contínuo predomina através de plataformas digitais ou espaços de e-learning (ensino eletrónico que corresponde a um modelo de ensino não presencial), atingindo 73% dos entrevistados, com uma avaliação positiva.

Como cobrar pelos serviços: Por hora ou preço fixo?

Os freelancers, quando perguntados sobre em que tipo de trabalho eles preferiam trabalhar, responderam principalmente que preferem projetos a preço fixo a trabalhos remunerados por hora.

Segundo eles, essa modalidade proporciona maior estabilidade e segurança, já que como os próprios freelancers mencionam: “desde o início, você pode saber quanto dinheiro vai ganhar”. Além desse motivo, eles consideram que essa modalidade lhes permite uma melhor organização de tempo e recursos.

Já os freelancers que optam por trabalhar em projetos por hora, fazem isso porque acreditam que podem prever um orçamento de acordo com o que vai funcionar: “o desenvolvimento é cíclico e sempre aparecem novos recursos que não foram inseridos no orçamento por um preço fixo”, “Os clientes alteram os requisitos e os projetos podem demorar mais que o previsto”.

Um dado curioso apontado pela pesquisa é que dentro do universo da Workana, existem usuários que ainda não trabalham como freelancers. Desses, a grande maioria veio a se registrar por curiosidade.

Porém, 91,5% desses profissionais acreditam que em breve começarão a trabalhar de forma independente e é por isso que estão se inserindo no mundo das plataformas digitais, entendendo-o como um caminho para a transição profissional que procuram fazer.

Como as empresas contratam através das plataformas digitais?

Nas plataformas digitais, há um crescimento na busca de freelancers pelas empresas.

De fato, quase 1 milhão de projetos foram publicados entre 2012 e 2019. Os clientes também têm uma visão positiva a esse respeito, pois 97,4% acreditam que o trabalho freelance continuará a crescer nos próximos 5 anos.

Os clientes que buscam contratar os freelancers são principalmente empresas (quase 60%), seguidos por pessoas físicas, que atingem 30%. Há também um pequeno segmento de ONGs e agências estaduais que contratam freelancers.

As contratações são – em grande parte – para complementar, através de projetos específicos, o trabalho realizado pela equipe permanente de empresas para que essas possam se concentrar em suas prioridades. A maioria está começando a contratar remotamente, então mais de 77% ainda não possui uma equipe freelancer, mas usa a plataforma para propostas específicas.

Ainda existe um certo planejamento para a contratação de freelancers no futuro. E isso pode ser devido a diferentes razões: que a contratação está relacionada a necessidades específicas que surgem (e ainda não foram identificadas), que há uma visão mais “tradicional” da necessidade de uma equipe de trabalho permanente (em vez de remota ) ou que uma alta porcentagem de clientes (70%) recentemente começou a usar essa metodologia e está se familiarizando com ela.

As áreas de atividade que os clientes mais contratam são TI e Programação (46,8%) e são seguidas por design e multimídia com 24,8%. Em menor grau, outros serviços que eles procuram são: tradução e conteúdo (13,8%) e Marketing e vendas (11,9%)

Trabalho Freelance x Transformação Digital

Nas relações de trabalho entre freelancers e clientes, a tecnologia é o grande mediador e a principal força motriz para um verdadeiro futuro do trabalho.

E os freelancers parecem estar mesmo preparados ou se preparando para o futuro tecnológico. Virtualmente todos os entrevistados (98,6%) acreditam que as transformações tecnológicas gerarão cenários positivos para o seu trabalho no futuro.

Por outro lado, uma alta porcentagem de clientes afirma ter passado por processos de transformação tecnológica nos últimos 5 anos.

De qualquer forma, a maioria é positivamente receptiva às transformações e cerca de 90% acredita que a inovação tecnológica já afetou total ou parcialmente o desenvolvimento de suas empresas.

O trabalho freelancer foi definitivamente instalado no mundo digital: praticamente a totalidade dos freelancers consultados (98%) acredita que o uso da mídia online aumenta a possibilidade de obter emprego desse tipo. De fato, mais de 90% desses profissionais usam mídia online e 63,2% usam-na mais do que mídia offline.

Mas, por sua vez, essas tendências tecnológicas exigem maiores esforços para se preparar e ser treinado. Essas transformações envolvem profissionalização. De acordo com profissionais freelancers, as transformações tecnológicas “forçam a acompanhar as últimas tendências”; “Isso impulsiona  as pessoas a renovar e continuar aprendendo”. 

Outro ponto importante é a necessidade de fortalecer os vínculos entre freelancers e clientes, mas é claro que esse caminho já está começando a ser percorrido: “Há uma falta de maior confiança do cliente para aproveitar as transformações tecnológicas em seu benefício”. Os freelancers que se conectam aos clientes fazem parte da inovação digital e do trabalho do futuro e são altamente valorizados por ambos. 

Os dados mostram ainda que as plataformas se tornaram aliadas dos freelancers, acompanhando o crescimento dos projetos em que participam e promovendo a fidelidade (54,4% dos freelancers foram contratados pelos mesmos clientes). Elas se tornaram também um recurso importante para os clientes, pois permite que eles abordem profissionais treinados para desenvolver os projetos que seus negócios exigem.

Quem está mais preparado para o trabalho remoto: freelancers ou clientes?

O estudo da Workana nos mostra que o trabalho remoto chegou até aqui para ficar e expandir. Essa maneira de trabalhar está em uma fase de transição, com otimismo em relação ao futuro do trabalho freelancer. 

Os freelancers estão cada vez mais motivados e animados para viver a vida que desejam viver em torno de seu trabalho, uma vida que lhes permite gerenciar seus horários, escolher os projetos nos quais participar, trabalhar de qualquer lugar, entre outras coisas.

Por outro lado, os clientes são gratos pela contribuição dos freelancers para seus negócios, em relação à inovação, experiência e idéias que eles propõem de uma perspectiva externa e que lhes permite focar em suas prioridades.

Mas parte desse desafio de consolidar o trabalho remoto exige que os freelancers adicionem ao desenvolvimento vinculado à sua área de atividade, habilidades sociais que lhes permitam aprimorar o relacionamento com o cliente, como:

  • comunicação
  • empatia
  • atitude positiva
  • bom desempenho
  • organização

E que os clientes, enquanto isso, entendam as particularidades dessa modalidade, promovendo a adaptação para mudar a si mesmos e dentro das organizações.

Em um contexto globalizado, de transformação tecnológica e inovação digital, são geradas condições favoráveis ​​para o desenvolvimento de outras iniciativas com essas características, podendo conectar clientes e freelancers de diferentes partes do planeta. É uma grande oportunidade que se apresenta para o futuro do trabalho e que gerará impacto no mundo dos negócios.

E você, como vem se adaptando a essa nova maneira de trabalhar?

Ainda estamos no meio dessa jornada e esperamos que esse estudo seja de grande valia para quem já vem trilhando esse caminho conosco.

E para você que já escolheu o caminho do trabalho remoto, nossa meta para 2020 será fazer com que a partir da conexão entre as assistentes virtuais e os clientes, por meio da plataforma Just virtual, possamos mediar essas relações, promovendo um diálogo que venha a colaborar no fortalecimento desse vínculo.

Mas para quem ainda busca motivos ou formas para transcender a lógica do trabalho convencional, que tal aproveitar o início de um novo ano para traçar suas metas e construir sua transição de carreira para um trabalho mais flexível e autônomo? 

Você pode dar o primeiro passo usando as habilidades que já possui para atuar como Assistente Virtual, que é uma das maiores tendências de crescimento neste mercado para esse ano. Já pensou? 

Te desejamos um 2020 ainda mais próspero e que suas escolhas te aproximem de uma vida mais realizada e feliz!

Publicações Relacionadas

2020: a década que preconiza a Assistência Virtual

2020: a década que preconiza a Assistência Virtual

Estamos entrando na era da ‘flexibilidade permanente’ : quando os trabalhos flexíveis incorporam um estilo de vida fluido e digital. Os primeiros indícios do que hoje conhecemos como trabalho remoto, surgiu no ano de 1857 quando J. Edgar Thompson, da empresa Penn...

ler mais
Os desafios do empreendedorismo feminino

Os desafios do empreendedorismo feminino

*Ana acorda todo dia às 6h. Prepara seu café e segura o caçula no colo enquanto checa sua lista de afazeres e compromissos do dia. Seu marido sai de casa às 7h pro trabalho e ela fica então responsável por cuidar das crianças no período da manhã até a hora deles irem...

ler mais

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *